quarta-feira, agosto 02, 2017

Sabiá com trevas


      SABIÁ COM TREVAS

       VI 

      Há quem receite a palavra ao ponto de osso, 
      de oco; ao ponto de ninguém e de nuvem. 
      Sou mais a palavra com febre, decaída, fodida, na 
      sarjeta. 
      Sou mais a palavra ao ponto de entulho. 
      Amo arrastar algumas no caco de vidro, 

      envergá-las pro chão, corrompê-las -
      Até que padeçam de mim e me sujem de branco. 
      Sonho exercer com elas o ofício de criado: 
      usá-las como quem usa brincos.

                                                                            


      Do livro: "Arranjos para Assobio".

2 comentários:

Graça Pires disse...

É possível não gostar?
Um beijo, Solange minha Amiga.

Nidja Andrade disse...

Tantas palavras em meio a uma importância de significados!... Estou por aqui!