quarta-feira, setembro 28, 2016

Arte como Poesia, Educação como Política


Foto tirada por mim: Entender é parede / procure ser árvore.
Hoje veio no meio Facebook uma ótima lembrança. Há dois anos foi realizado no Museu da República o evento "ArvoreSer", com trechos de poemas de Manoel de Barros. 


https://www.facebook.com/institutotear

http://institutotear.org.br

Choveu e o evento foi no dia 28.

quarta-feira, setembro 21, 2016

Dia da árvore

As árvores me começam.

Manoel de Barros

Primavera no ar...

Foto tirada por mim em Casimiro de Abreu
"Chegam aromas de amanhã em mim." 
Manoel de Barros




Está chegando a primavera. Mais uma. É um ciclo. Já escrevi sobre a mitologia da estação, sobre Deméter e Perséfone, quando, após reencontrar a filha, Deméter retornou ao Olimpo e a terra se cobriu de verde. 

No simbolismo do mito, a filha representa o grão semeado, que se desenvolve embaixo da terra e aparece na primavera sob a forma de novos frutos. A significação profunda do mito dessas deusas era revelada aos Iniciados nos Mistérios de Elêusis, em que os adeptos se preparavam para a morte, com ensinamentos de como suportar a passagem de um mundo para outro.


Quem quiser ler o texto integral, aqui está o link:



Dia da árvore!

Foto por mim mesma, Praça Paris

Um passarinho pediu a meu irmão para ser sua árvore.
Meu irmão aceitou de ser a árvore daquele passarinho.
No estágio de ser essa árvore, meu irmão aprendeu de
sol, de céu e de lua mais do que na escola.
No estágio de ser árvore meu irmão aprendeu para santo
mais do que os padres lhes ensinavam no internato.
Aprendeu com a natureza o perfume de Deus
seu olho no estágio de ser árvore aprendeu melhor
o azul
E descobriu que uma casa vazia de cigarra esquecida
no tronco das árvores só serve pra poesia.
No estágio de ser árvore meu irmão descobriu que as árvores são vaidosas.
Que justamente aquela árvore na qual meu irmão se transformara,
envaidecia-se quando era nomeada para o entardecer dos pássaros
e tinha ciúmes da brancura que os lírios deixavam nos brejos.
Meu irmão agradecia a Deus aquela permanência em árvore porque fez amizade com muitas borboletas.


(in: Ensaios Fotográficos)

terça-feira, setembro 20, 2016

É HOJE!!!

Em celebração aos 100 anos do nascimento do poeta, o governo do Estado de Mato Grosso do Sul, por meio da Secretaria de Cultura, Turismo, Empreendedorismo e Inovação e da Fundação de Cultura, realiza o projeto “Homenagem ao Poeta Manoel de Barros no Centenário de seu Nascimento”.
O lançamento da programação desta homenagem acontece em 20 de setembro, no Museu de Arte Contemporânea (Marco), às 19h, durante a abertura oficial da Primavera dos Museus.

http://www.oestadoonline.com.br/2016/09/homenagem-ao-poeta-manoel-de-barros-sera-lancada-terca/

quinta-feira, setembro 08, 2016

Formiga...

Formiga é um ser tão pequeno que não aguenta nem neblina. Bernardo me ensinou: Para infantilizar formigas é só pingar um pouquinho de água no coração delas. Achei fácil.  

Do "Livro Sobre Nada" (Arte de Infantilizar Formigas)

quarta-feira, setembro 07, 2016

Narciso - Eu e Manoel

Narciso de Waterhouse
“As palavras têm sedimentos. Têm boa cópia de lodo, usos do povo, cheiros de infância, permanências por antros, ancestralidades, bosta de morcegos etc. não vou encostar as palavras, etc. pois elas são meus espelhos. Sou o narciso delas”[Manoel de Barros]

Narcisista

Como aprender a me achar
Sem me perder?
O reflexo não me explica,
Apenas me consome
E me prende.

Uno-me tanto a mim
Que meus átomos se juntam
Ao meu reflexo.

Como Narciso,
Acho-me
No reverso, no inverso,
No espectro que me devora.

Quando me perco,
É quando me encontro.

Solange Firmino


Paisagem

A céu aberto,

O espelho líquido Reflete a pedra.

Incrustada na própria imagem,
A pedra faz-se dupla,
Imagem de Joel dos Santos
Colada ao céu,
Fincada na água.

Fosse a pedra Narciso,
O lago não seria tão fundo.

Solange Firmino




quinta-feira, setembro 01, 2016

Violeta africana
Uma violeta me pensou.

Me encostei no azul de sua tarde.

Do "Livro Sobre Nada".

Fragmentos da Insônia


Este poema meu é dedicado a Manoel de Barros, está no meu livro "Fragmentos da Insônia".
Quem quiser encomendar comigo,
enviar um e-mail para
solange.firmino@gmail.com