quarta-feira, novembro 30, 2016


Não saio de dentro de mim nem para pensar.
[Manoel de Barros]


Narciso 
Uno-me tanto a mim, que sou todo verso que me devora: espectro. 
[Solange Firmino]

Um comentário:

Graça Pires disse...

Um poema excelente, Solange. Entras dentro da mitologia...
Uma boa semana.
Beijos.