terça-feira, setembro 12, 2017

“Eu não caminho para o fim, eu caminho para as origens”


Manoel de Barros recebe a Revista Caros Amigos, em 2008, em sua casa.

A um editor que me sugeriu que escrevesse um livro de memórias eu respondi que só tinha memória infantil. O editor me sugeriu que fizesse memória infantil, da juventude e outra da velhice. Estou escrevendo agora minhas memórias infantis da velhice.

...

Poeta é uma pessoa que luta com palavras. Carlos Drummond escreveu: lutar com palavras é uma luta vã. Se eu pudesse, reinventaria outro sinônimo para Poeta. Poeta seria o mesmo que parvo. É um sujeito que, em vez de mexer com borboletas, pedras, caracóis, mexeria com as coisas úteis.


(...)

O Tempo só anda de ida.

A gente nasce, cresce, envelhece e morre.

Pra não morrer

É só amarrar o Tempo no Poste.

Eis a ciência da poesia:

Amarrar o Tempo no Poste!

...


dia que a gente estiver com tédio de viver é só desamarrar o Tempo do Poste."



Leia mais na Revista Caros Amigos.

Nenhum comentário: